Semântica: denotação e conotação

A semântica é a parte da gramática (tradicionalmente), ou se preferirem, da linguística, que estuda o significado das palavras e suas mudanças de sentido no decorrer do tempo e do uso.

Assim, cada palavra tem seu sentido etimológico, original, ou literal, e um ou mais significados que adquire durante sua história. Há muitas palavras que acabam perdendo seu sentido original. Por isso os vocábulos podem ter sentido denotativo ou conotativo.

Na denotação, ou sentido denotativo, temos o sentido literal, próprio, normal, comum, ou original da palavra.

Já a conotação é um sentido sugerido (por usos diversos), subjacente, também chamado figurado, que uma palavra adquire através de usos peculiares pelos falantes.

Por exemplo, todos sabemos o que é um animal: um ser vivo dotado de movimento, ou seja, um ser animado.  Mas muitos torcedores se referem a esportistas habilidosos e um pouco descontrolados emocionalmente como animais, com sentido positivo. Mas também chamamos pessoas que cometem crimes cruéis de animais, no  sentido negativo.

Basta olharmos um dicionário e veremos as listas de sentido que cada palavra tem. Parede ou muralha, por exemplo. Denotativamente, são construções de alvenaria (pedra, tijolo, etc.) para demarcar o limite externo de construções. Mas, conotativamente, podem ser usadas para se referir a qualidades ou defeitos de pessoas. Ou seja, podem indicar a força física ou um fechamento psicológico. Os exemplos são tantos quanto a língua permite e o uso demonstre.

Que tal compartilhar este texto com seus amigos? Basta um clique e estará nos ajudando muito!

No Comments

Leave a Reply