Orações subordinadas adverbiais

Necessariamente, as orações subordinadas adverbiais cumprem a função de advérbios das orações principais, ou de adjuntos adverbiais do verbo ou de algum outro termo da oração principal.

Quando as orações subordinadas adverbiais não estão em sua forma reduzida, elas são introduzidas por uma conjunção subordinativa.

Essas orações subordinadas podem ser, de acordo com a circunstância que descrevem: causais, comparativas, concessivas, condicionais, conformativas, consecutivas, finais, locativas, modais, proporcionais e temporais.

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais causais, que mostram a causa que cria o efeito descrito pela oração principal (as conjunções usadas são porque e como):

Ele não jogou porque estava machucado. Como estava machucado, não jogou. Não enviei a mensagem porque a conexão caiu. Como a conexão caiu, não enviei a mensagem. (Reduzidas de infinitivo e gerúndio: Não jogou por estar machucado. Tendo a conexão caído, não enviei a mensagem.)

Como não tinha a ficha limpa, o candidato foi barrado. (Movida da seção de orações conformativas para cá, por observação da leitora Marisa. Conferir abaixo.)

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais comparativas, que mostram, obviamente, comparação (conferir o artigo sobre comparação), por meio das seguintes expressões: como, tal qual, mais/menos … do que, etc.:

Ela não vive como eu vivo.

Ela escreve mais do que eu (escrevo).

Ela lê tanto quanto eu (leio).

Ela trabalha menos do que eu (trabalho).

Ela fala tanto quanto sua mãe o faz.

Eu me calo tanto quanto meu pai fazia.

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais concessivas, aquelas que expressam concessão (observem as conjunções concessivas, que introduzem essas orações subordinadas):

O aluno não entendeu nada, embora estivesse prestando atenção.

Mesmo que se esforçasse muito, continuava não entendendo.

Ele acabou entendendo, posto que manteve o esforço.

Conquanto estudes, sempre aprenderás algo.

Sempre terás algum proveito, mesmo que estudes pouco.

Ele acabou vencendo, dado que nunca deixou de estudar.

Por mais que não acredite, sempre é possível dar a volta por cima.

(Reduzidas de infinitivo e gerúndio: O aluno não aprendeu nada, apesar de prestar atenção. / Mesmo não se esforçando, continuava não entendendo. / Sempre terás algum proveito, mesmo estudando pouco.)

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais condicionais, que expressam a condição exposta na oração principal (conjunções se, contanto que, caso, a não ser que, etc.):

Se treinarem muito, vencerão o torneio.

Se treinassem muito, venceriam o torneio.

Se tivessem treinado muito, teriam vencido o torneio.

Ganharão o campeonato caso treinem bastante.

Não ganhariam a taça a menos que / a não ser que treinassem com afinco.

Contanto que ganhem, não importa o treinamento.

(Reduzidas de infinitivo e gerúndio: Sem treinar muito, não vencerão. / Treinando muito, vencerão.)

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais conformativas, que indicam conformidade com o que é dito na oração principal. Por conseguinte, as conjunções são: conforme, consoante, segundo, como, etc.:

Conforme foi prometido, aqui está o pagamento.

Conforme o candidato prometeu, ele fará o comício amanhã.

O candidato não apareceu, segundo disse o jornal.

Como não tinha a ficha limpa, o candidato foi barrado.*

*A partir de um comentário da leitora Marisa, de que esta é uma oração Adverbial Causal, por indicar a causa do candidato ser barrado, e poder ser escrita assim: O candidato foi barrado porque não tinha a ficha limpa, ela será movida para a seção adequada. Grato pela contribuição.

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais consecutivas, que mostram o resultado, efeito ou consequência do que é expresso na oração principal (notem que o que da oração subordinada está relacionado a algum palavra da oração principal):

Falou tanto que ficou com a garganta seca.

Foi tamanho seu esforço pra falar que ficou com a garganta seca.

Falou de tal modo que ficou com a garganta seca.

Falou que ficou com a garganta seca.

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais finais, que exprimem a finalidade, o objetivo ou destino da oração principal (conjunções: a fim de que, para que, por que, que, etc.):

Prestou muita atenção para que não o enganassem.

Verificou o contrato várias vezes a fim de que tudo corresse bem.

Reduzidas de infinitivo:

Prestou muita atenção para não ser enganado.

Verificou o contrato para tudo correr bem.

Apressou o passo a fim de chegar logo.

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais locativas, que indicam o local expresso na oração principal, é claro!

As conjunções são onde, lugar onde, lugar em que:

“Moro onde não mora ninguém / Onde não passa ninguém / Onde não vive ninguém”

(Agepê)

Ele gosta muito do lugar em que mora.

O lugar onde ele mora deve ser muito bom.

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais modais, que indicam o modo com relação à oração principal. As conjunções são como, sem que:

Ele fez tudo como mandava o figurino.

Ele deixou o local sem que o vissem.

Reduzidas de infinitivo e gerúndio:

Ele deixou o local sem ser notado.

Ele deixou o local correndo.

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais proporcionais, que indicam proporção. Conjunções: à proporção que, à medida que:

À proporção que o tempo passa, ela vai ficando mais bonita.

À medida que ela vai crescendo, vai tornando-se mais responsável.

***

Exemplos de orações subordinadas adverbiais temporais, que expressam o tempo da oração principal.

Conjunções: quando, enquanto, assim que, logo que, antes / depois que, sempre que, etc.:

Gosto de caminhar quando está nublado.

Os ladrões se entregaram quando a polícia chegou.

Aguarde-me enquanto faço as compras.

Ela me viu logo / assim que cheguei.

A eletricidade cai toda vez / sempre que chove.

Reduzidas de infinitivo e gerúndio:

Aguarde-me ao fazer as compras.

Ela me viu ao chegar.

Ao chegar a polícia, os ladrões se entregaram.

Chegando a polícia, os ladrões se entregaram.

(Obras consultadas: Novo Manual de Português, LUFT, 1986; Moderna Gramática Portuguesa, BECHARA, 1989)

Que tal compartilhar este texto com seus amigos? Basta um clique e estará nos ajudando muito!

9 pensamentos em “Orações subordinadas adverbiais”

  1. Sim, porque é introduzida pelo ‘Como’, que indica o modo do olhar, mesmo que tenha um ‘quando’ depois. É o que acho.

  2. Pra mim, sim, pois pode ser escrita assim: O candidato foi barrado porque não tinha a ficha limpa.

  3. Como não tinha a ficha limpa, o candidato foi barrado – temos um caso de Adverbial Causal e não conformativa, confere?

  4. Ricardo,
    a solução é focalizar a essência de cada uma: a modal é basicamente ‘como’ algo é feito, o modo, a maneira (lembra do advérbio de modo);
    já a conformativa precisa estar, literalmente, conforme algo que foi dito antes.
    Enfim, é preciso ler mais sobre o assunto e buscar mais exemplos também em outras gramáticas.
    Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *