Linguagem coloquial e gíria

Muitos autores usam linguagem coloquial e gíria em suas obras, tanto para retratar personagens com linguagem específica de uma região ou classe social, quanto para mostrar a linguagem de uma época.

Oswald de Andrade é um dos que mais usam esses recursos em seus poemas e romances.

Aliás, esse é um dos meus poetas preferidos.

Alguns de seus poemas,
com o ineditismo da linguagem coloquial da época,
até hoje me surpreendem, mesmo depois de lidos
dezenas de vezes.

Cito alguns aqui para deleite dos amantes da língua portuguesa e brasileira
(notem a pontuação, ou falta dela, e a ironia):

ERRO DE PORTUGUÊS

Quando o português chegou
Debaixo duma bruta chuva
Vestiu o índio
Que pena!
Fosse uma manhã de sol
O índio tinha despido
O português

*****

O Capoeira

– Qué apanhá sordado?
– O quê?
– Qué apanhá?
Pernas e cabeças na calçada.

*****

Pronominais

Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro

Reblog this post [with Zemanta]

Que tal compartilhar este texto com seus amigos? Basta um clique e estará nos ajudando muito!

1 pensamento em “Linguagem coloquial e gíria”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *