Anáfora, assonância e aliteração

Temos aqui mais três figuras de sintaxe, largamente utilizadas na poesia e na retórica. Vejamos cada uma delas:

a) anáfora: é o uso repetido de palavras ou expressões no início de versos ou de frases de maneira consecutiva; por exemplo, a primeira estrofe deste poema de Walt Whitman, no qual a expressão “Vinte e oito” aparece em todos os versos:

“Vinte e oito rapazes se banham perto da praia,
Vinte e oito rapazes e todos tão simpáticos;
Vinte e oito anos de vida feminil e todos tão solitários.”

 

b) assonância: é a repetição de sons vocálicos idênticos ou semelhantes em verso ou discurso retórico, mas principalmente em poesia;

 

c) aliteração: repetição de sons, especialmente sons consonantais;

vejam, nos versos de Antífona, de Cruz e Souza, como essas duas figuras são entrelaçadas, para dar a sensação de rodopio no poema e o sibilante S soprando em tudo:

 

Ó Formas alvas, brancas, Formas claras
De luares, de neves, de neblinas!…
Ó Formas vagas, fluidas, cristalinas…
Incensos dos turíbulos das aras…

 

Formas do Amor, constelarmente puras,
De Virgens e de Santas vaporosas…
Brilhos errantes, mádidas frescuras
E dolências de lírios e de rosas…

 

Indefiníveis músicas supremas,
Harmonias da Cor e do Perfume…
Horas do Ocaso, trêmulas, extremas,
Réquiem do Sol que a Dor da Luz resume…

 

Visões, salmos e cânticos serenos,
Surdinas de órgãos flébeis, soluçantes…
Dormências de volúpicos venenos
Sutis e suaves, mórbidos, radiantes…

 

Infinitos espíritos dispersos,
Inefáveis, edênicos, aéreos,
Fecundai o Mistério destes versos
Com a chama ideal de todos os mistérios.

 

Do Sonho as mais azuis diafaneidades
Que fuljam, que na Estrofe se levantem
E as emoções, todas as castidades
Da alma do Verso, pelos versos cantem.

 

Que o pólen de ouro dos mais finos astros
Fecunde e inflame a rima clara e ardente…
Que brilhe a correção dos alabastros
Sonoramente, luminosamente.

 

Forças originais, essência, graça
De carnes de mulher, delicadezas…
Todo esse eflúvio que por ondas passa
Do Éter nas róseas e áureas correntezas…

 

Cristais diluídos de clarões alacres,
Desejos, vibrações, ânsias, alentos,
Fulvas vitórias, triunfamentos acres,
Os mais estranhos estremecimentos…

 

Flores negras do tédio e flores vagas
De amores vãos, tantálicos, doentios…
Fundas vermelhidões de velhas chagas
Em sangue, abertas, escorrendo em rios…..

 

Tudo! vivo e nervoso e quente e forte,
Nos turbilhões quiméricos do Sonho,
Passe, cantando, ante o perfil medonho
E o tropel cabalístico da Morte…

 

Que tal compartilhar este texto com seus amigos? Basta um clique e estará nos ajudando muito!

No Comments

Leave a Reply